Teletrabalho ou Home Office? O importante é produzir!

teletrabalho

Teletrabalho é uma maneira de trabalhar que consiste em se utilizar da internet, redes de telefonia e outras formas de telecomunicação e comunicação à distância para prestar um serviço, com ou sem vínculos empregatícios, para uma ou mais pessoas ou empresas.

Mais conhecido como trabalho Home Office, o teletrabalho é uma prática que vem se disseminando tanto entre as empresas, como entre profissionais, sejam diretamente contratados ou autônomos.

Suas vantagens são as mais diversas, tanto para as organizações como para os indivíduos que se beneficiam desta prática. Vamos ver, a seguir, dicas de como implementar o teletrabalho nas empresas, se adaptar a ele trabalhando em casa e depoimentos de quem já utiliza esta prática com sucesso.

Teletrabalho nas empresas: uma tendência?

Menores custos de deslocamento e menos poluição (carbon footprint ou, em português, pegada de carbono). A empresa não precisa comprar móveis, utensílios de escritório nem computadores, no caso de autônomos sem vínculo empregatício.

Estes são dois breves exemplos dos benefícios do teletrabalho para empresas e profissionais.

E poderíamos falar ainda da melhoria dos indicadores de produtividade, atestado por diversas empresas, e da qualidade de vida, segundo vários adeptos do teletrabalho.

Dados confirmam que 36% das empresas no Brasil adotam algum tipo de trabalho à distância, e este número sobe para mais de 70%, no estado de São Paulo, o que pode realmente indicar uma tendência.

Mas sua empresa estará preparada para ter funcionários trabalhando à distância, sem supervisão direta ou alguém, literalmente, “de olho” neles?

Adaptando a empresa à cultura do teletrabalho

A primeira providência é implementar ou intensificar, caso a empresa já utilize, o emprego de ferramentas e softwares colaborativos por todos, e não apenas por aqueles que interagem diretamente com os membros da equipe que trabalham à distância.

Pode ser que quem está alocado na empresa não queira mudar certos hábitos, como as reuniões presenciais face a face, ou usar exclusivamente e-mail para se comunicar com os que estão em casa, aproveitando o melhor do teletrabalho.

Sim, é possível que haja um certo “ciúmes” e até preconceito com estes profissionais, principalmente por parte da velha guarda.

Por isso, um trabalho de endomarketing, anterior a adoção da prática de Home Office pela empresa, pode ajudar bastante.

Adotar um manual que padronize quais apps serão usados, também é muito importante, evitando que alguns usem o Hangout para chats e reuniões, enquanto outros usam o Skype ou o Appear.in. Da mesma forma, determine qual Drive na nuvem deve ser empregado, se o Google Drive, o Dropbox, o Box ou outro.

Uma sugestão é adotar o Slack, um canal de comunicação ágil e versátil, que muitos acreditam que pode vir a acabar com os e-mails corporativos. Será?

Qual o perfil de quem trabalha em casa?

perfil-de-pessoas

Com certeza disciplina é importante para quem quer adotar o teletrabalho. Por outro lado, quem se dedica a atividades criativas pode encontrar sossego e talvez até contar com um ateliê ou oficina para deixar a imaginação fluir, mesmo sendo do tipo que só encontra ordem no caos.

Para dar uma luz nesse assunto, resolvemos usar os quatro tipos de personalidade (que alguns ampliam para 16, ao acrescentar 4 subtipos para cada tipo inicial) que você pode até mesmo testar online, para conhecer o seu.

Em sua versão mais tradicional, as quatro personalidades principais são estas:

  1. Pragmático: pessoas que gostam de ter tudo sob controle, usam a assertividade para convencer os outros, muito orientadas para o trabalho e o uso da razão. Uma pessoa com estas características pode ser disciplinada o suficiente para trabalhar em casa, por outro lado, correm o risco de não ver limites, se estressar e isolar.
  2. Expressivo: agem pela emoção: apesar de assertivos, são emotivos. Dão muito valor às relações pessoais e tem grande intuitividade. Dessa forma, pode ser difícil para um indivíduo expressivo ficar em casa, longe dos colegas. Mas sua expressividade pode ser tão forte que ele crie maneiras de se relacionar com os amigos por meio das mídias sociais e outras plataformas de comunicação.
  3. Integrador: com baixa assertividade e muito emotivo, adoram ajudar e apoiar as pessoas. Talvez este seja o estilo de personalidade mais difícil de se adaptar ao trabalho remoto, dado que sentem necessidade de um contato mais próximo com as pessoas e, além disso, são pouco disciplinados.
  4. Analítico: Adora analisar (como o nome diz), ver, estudar e ter todos os dados para dar as respostas, o que o faz, muitas vezes, ser lento e inseguro se não achar as informações que precisa. Pouco emotivo. Por serem estudiosos, dependendo da função que ocupam, podem se adequar ao trabalho em casa, principalmente porque não são emotivos, mas é preciso cobrar os prazos deles.

Qual destes perfis é o seu?

Depoimento de quem vivencia o teletrabalho

Fomos buscar para você algumas dicas de quem já usa o Home Office em seu dia a dia, confira:

Paulo Magalhães

Paulo é Diretor de Conteúdo da Buzzness e tem uma história interessante de como optou pelo teletrabalho:

“Sempre trabalhei em agências de publicidade, um ramo em que um dia de 12 horas de trabalho pode acontecer com bastante frequência. Passar finais de semana inteiros enfiado na agência com sua equipe, movido a pizza e cerveja, para entregar uma campanha completa na segunda-feira, é coisa corriqueira.

Ocupava o cargo de diretor de criação quando decidi que era hora de mudar. Hoje trabalho em casa, com meu foco criativo voltado para marketing de conteúdo (adora escrever). Não que trabalhe muito menos que antes, jornadas longas e finais de semana trabalhando ainda existem, com muita frequência, mas estou perto da minha família e vendo meu filho crescer.

paulo magalhães

“O ideal é ter um escritório com porta fechada para você. Se não for possível, delimite seu espaço de trabalho de alguma forma.”

Paulo Magalhães

 

Aqui vão algumas dicas:

  • Cuidado para não acabar ajudando seu filho com os trabalhos da escola e adotar uma dupla jornada: estudo e trabalho.
  • Mesmo que seja engenheiro eletrônico, recuse-se a trocar lâmpadas ou arrumar o chuveiro, sua família acredita que você está lá para isso…
  • O ideal é ter um escritório com porta fechada para você. Se não for possível, delimite seu espaço de trabalho de alguma forma.
  • Acordar cedo está na moda, funciona para mim. Para outros, acordar tarde e trabalhar até a 4 da manhã é melhor, descubra o seu horário mais produtivo.
  • Faça exercícios regularmente, engordei muito!
  • Almoce com os amigos do trabalho de vez em quando, sinto falta disso e vivo adiando.
  • Adote um sistema de gerenciamento de tarefas (muitos adoram a Técnica de Pomodoro) e abuse até o ponto de ficar viciado em apps colaborativos e softwares de gerenciamento de projetos.
  • Gosto de uma dica da Trello, sobre o dia de gestor e o dia de realizador. De vez em quando “se tranque” em sua bolha de teletrabalho, não atenda nenhum aviso, telefonema ou alerta, e faça aquele grande projeto que precisa sair do papel.”

Com um estilo mais Expressivo, Paulo sente necessidade de algumas válvulas de escape. Mas e quem tem um estilo mais Analítico ou Pragmático?

Pierre Veyrat

Pierre é Consultor de Marketing Digital da BIO SEO. Nascido na França, passou alguns anos no Brasil, e hoje trabalha de seu país de origem, para dezenas de clientes brasileiros.

Portanto, teletrabalho, para ele, é mais do que uma opção, é um desafio! Confira:

“Quando se trata de teletrabalho, é preciso identificar quais são nossos pontos fortes e nossos pontos fracos. Eu me considero uma pessoa bem focada. Consigo trabalhar horas no mesmo job em seguida, até tarde da noite.

Agora, já me conheço muito bem e sei que algumas situações atrapalham minha produtividade:

  • Grande cansaço, quando durmo mal ou pouco, mais de duas noites em seguidas.
  • Tarefas chatas e demoradas. Esse tipo de tarefa precisa ser desmembrada em vários trechos menores (podemos usar a técnica do Pomodoro).
  • Chuva de mensagens (Skype, Slack, e-mail…).
  • Comer muito na hora do almoço.

Quando você trabalha dentro de uma empresa, sempre terá um chefe para cobrar o seu trabalho, pedir jobs para ontem, cobrar metas sempre mais agressivas.

Com o teletrabalho, fica mais complexo: você pode definir um horário de começo e um horário de fim. Porém, quem vai te cobrar se você não respeita o horário do começo? E o que pode fazer se precisa passar do seu horário de “saída do trabalho” para acabar tarefas?

Ser produtivo todos os dias fica mais complexo. Porém também é a chave para conseguir se organizar: se você não consegue produzir, os trabalhos atrasados vão te perseguir e você vai precisar virar a noite e trabalhar no final de semana para matar as pendências.

pierre-veyrat

“Seja realista nas tarefas que pode cumprir no seu dia de trabalho para dividir a vida pessoal da profissional e aproveitar do seu tempo livre sem estresse.”

Pierre Veyrat

 

Se você não consegue medir exatamente onde você está perdendo horas do seu dia e acaba não finalizando nada, use o Toggl para medir o tempo de cada uma das suas tarefas.

Algumas dicas do que funciona para mim no teletrabalho:

  • Usar o Trello para definir minhas tarefas mensais e semanais.
  • Criar quadro no Trello onde coloco minhas futuras leituras, artigos, ebook, webinar e outros materiais para assistir futuramente.
  • Comer levemente no decorrer do dia, para não ficar pesado e com sono.
  • Flexibilidade no meu ritmo de teletrabalho: nos dias bons, foco nos projetos complexos que precisam da minha plena atenção, durante horas ou dias. Nos dias ruins e nos momentos de cansaço, foco nas tarefas menores: responder aos e-mails, tarefas não repetitivas.
  • Pausas: de acordo com o seu ritmo.
  • As reuniões sempre deixam você mais nervoso? Planeje-as nos horários de cansaço, como depois do almoço.
  • Escolha um “horário de reunião” para agendar todas as reuniões nele em dias diferentes.
  • Não levante a cada 10 minutos para tomar um suco ou ir no banheiro.
  • Defina um horário fixo no final do seu dia, três dias por semana, para fazer algum esporte.

Se você sente que não está conseguindo se organizar no teletrabalho, não consegue dividir a vida pessoal da profissional, uma dica:

Defina regras realistas (horários de trabalho, tarefas a realizar cada dia, etc.). Depois de organizar sua semana, abra uma possibilidade de quebrar a regra. Por exemplo: uma vez por semana, você tem direito a quebrar suas regras, trabalhando até mais tarde, ou acordando mais tarde.

Para manter uma boa comunicação à distância, eu gosto de usar o Google Hangout, junto com o Gmail e o Google Drive (isso me permite também acessar e editar qualquer arquivo em qualquer lugar) e o Google Calendar.

O Slack também é ótimo para manter contato com equipes ou clientes. O bom dessas ferramentas, incluindo também o Trello, é que todas têm aplicativos para smartphone com as funcionalidades completas.

Para sociabilizar, ainda existem soluções de coworking onde você pode ir uma vez por semana, por exemplo, para encontrar outras pessoas e trocar ideias, matar a saudade de ter colegas de trabalhos do seu lado.

Acho difícil dizer que o teletrabalho traz mais qualidade de vida: acho que é uma pergunta complexa, e vai depender do perfil de cada um. O que tem de certo é que você ganha uma liberdade incrível, e quem somos nós para dizer que isso não é importante?”

Interessante notar como, cada um à sua maneira, tanto Paulo como Pierre, fazem questão de buscar limites contra o excesso de trabalho.

Se você quer mais dicas como essas para se decidir ou se acostumar com o teletrabalho, baixe nosso e-book, uma parceria da Trello com a Pluga, feito especialmente para você:

ebook trabalho home office

Compartilhe esse artigo:

Postagens Relacionadas

Trello on various platforms

Using Trello at Work

Sign up for Trello Business Class to learn how your entire team can maximize productivity.

Saiba mais