A descrição do seu cargo na empresa está afetando sua produtividade?

Até bem recentemente, os títulos de cargos nas empresas eram quase que compreensíveis universalmente. Gerente de contas, redator, gerente de projetos – eles são auto explicativos.

Até os complexos títulos de cargos da área de tecnologia podem ser logicamente analisados por algum desconhecido. Sua avó saberia o que um engenheiro de software para desenvolvimento de sites faz. A cola está no nome.

É por isso que um título de trabalho exagerado é como um emblema de status e capital social para seu titular. Todo mundo sabe que você é inteligente quando fala que é um desenvolvedor de softwares.

Deixando o ego de lado, um título e descrição de cargo bem pensado pode fazer maravilhas a sua produtividade. Pesquisas sugerem que você está mais disposto a pegar mais responsabilidades e trabalhar duro quando você sente que seu título de trabalho garante isso.

Mas um título mal pensado, estranho e peculiar pode ter o efeito contrário. Dê um mergulho nas águas infestadas de “ninjas”, “gurus” ou “hackers” da cultura moderna de recrutamento e você estará lutando contra uma maré de confusão e até mesmo uma trajetória de carreira pouco clara.

De onde esses títulos de cargos e funções de empresas vieram?

Moda, efetivamente. Sim, descrever uma nova habilidade algumas vezes requer uma nova terminologia – é por isso que temos “chefs de bar” e “scrum masters” agora. Mas as organizações estão fazendo o que elas têm feito há anos, imitando empresas de tecnologia icônicas em outros negócios nos quais as regras não se aplicam. Até que ponto a cultura empresarial moderna leva os títulos de trabalho do criativo ao totalmente rídiculo?

De acordo com um estudo nacional realizado no Reino Unido pela agência de marketing digital Digital Media Stream, somente 22% da população no Reino Unido acredita que “growth hacker” é um trabalho de verdade.

Então, se você é um growth hacker, pode ficar bonito no Linkedin, mas 78% das pessoas não acreditam que você existe. Talvez tenha algo a dizer para manter as descrições de cargo e funções simples e descritiva. Se apenas as pessoas que acreditam que seu trabalho existe é você e as pessoas do seu departamento, haverá um grande impacto negativo sobre a comunicação efetiva, sem mencionar a confiança.

Outro estudo realizado por uma consultoria de segurança e vigilância cibernética do Reino Unido descobriu que somente 8% dos funcionários foram influenciados pelo título de trabalho de seus colegas quando se tratava de questões de confiança. A confiança entre eles foi afetada quando membros da equipe não tinham um entendimento claro das responsabilidades e funções do outro.

Em resumo, no trabalho as pessoas não confiam muito nos outros se eles não entendem o que eles realmente fazem.

A produtividade sofre quando existem barreiras de confiança e comunicação. Organizações produtivas eliminam essas barreiras. Elas certamente não criam elas. Com certeza, não de propósito.

Se eles são improdutivos, qual o sentido?

O sentido real de criar um título de trabalho tão esotérico não é claro. O que parece ter começado como uma peculiaridade de líderes de empresas como o Google – que possui um Capitão de Tiros a Lua – acabou entrando no setor de tecnologia como um todo.

Entretanto, há evidências que sugerem que os títulos de cargos atípicos podem ter benefícios a saúde mental que melhoram a performance no trabalho, se o dono do título escolhe ele por conta própria.

De acordo com um estudo publicado no Jornal da Academy of Management, funcionários da Fundação Make-A-Wish reportaram uma queda de estresse no local de trabalho quando eles foram permitidos escolher seus próprios títulos de trabalho.

Todos nós sabemos o impacto que a ansiedade e estresse tem na produtividade, então isso é uma coisa boa.

Algumas pessoas da Make-A-Wish escolheram títulos ridículos. Por exemplo, gerentes de Relações Públicas se tornaram “mensageiros mágicos” e “mensageiros de boas notícias” .  Mas a Make-A-Wish não é a única organização que encontrou sucesso com essa estratégia de criação de títulos de cargos e funções na empresa.

O site londrino de descobertas fashions Style Compare tem sua própria versão da abordagem do Make-A-Wish. A empresa deixa seus colaboradores escolherem seus títulos de trabalho também, prometendo aos novos recrutas que seu título de trabalho não será finalizado até que eles tenham concordado com o escopo e as especificidades da sua função. Para recrutar, eles usam as habilidades necessárias como palavras-chave ao invés de títulos de trabalho em publicações de vagas para tornar o cargo e a empresa fácil de descobrir.

Essa abordagem faz sentido. A maior parte dos recrutadores buscam por habilidades, não títulos. Por isso que um trabalho de “ninja” ou “guru” torna realmente difícil para as pessoas encontrarem funções que encaixem em suas habilidades.

Então, escolher seu próprio título de trabalho é uma boa maneira de comunicar o que te faz ser excelente e ajuda seus colegas realmente a entenderem o que você faz. É também uma ótima maneira de clarear na sua mente quais são seus objetivos e prioridades, construindo as bases para uma produtividade acelerada.

Aumente a produtividade lutando contra os ninjas

Se você está prestes a negociar com seu chefe sobre seu título de trabalho, está planejando contratar alguém ou é um freelancer que vai imprimir alguns cartões de visitas novos – aqui vão cinco maneiras de criar uma descrição de cargo que melhore sua produtividade e não deixe as pessoas confusas.

  1. Esteja atento as qualificações inferiores. Palavras como “assistente”, “junior” ou “interino” podem ser posicionados positivamente ou negativamente quando se trata de empoderar um funcionário para que ele alcance seus objetivos. O que você quer evitar é a promoção da mentalidade “Eu sou só um assistente…”. Mantendo constantemente as pessoas na hierarquia do seu título de trabalho como um limitante, mesmo quando eles demonstrem vontades e motivação para contribuir em algo maior, pode criar um relacionamento improdutivo e infeliz.
  2. Use títulos que reflitam a missão da empresa. Identifique a essência do que sua empresa entrega e aperfeiçoe cada título de trabalho para que ele reflita como os membros da equipe contribuem para essa missão. Dessa forma, todos sabem como seu trabalho contribui para o crescimento e se sente parte do sucesso.
  3. Mantenha a simplicidade. Quanto mais alta a função, mais fácil é ser simples. “Diretor de Comunicação” engloba comunicação interna, relações públicas, gerenciamento de crise e relação com mídias. Descarte as especificidades de funções menos seniors como “Gerente de Relações Públicas”.
  4. Referencie as principais habilidades. Não só a atenção aos detalhes na descrição do cargo melhora as chances da empresa ser descoberta por candidatos talentosos durante a fase de recrutamento, como também ajuda colegas e clientes a saber a quem recorrer para alguma ajuda específica.
  5. Seja honesto. Ninguém se sente produtivo quando o título do seu cargo e função na empresa não reflete o que você realmente faz. Não faça propagandas para “Desenvolvedor de Leads” se você precisa de alguém que vá customizar temas de WordPress o dia inteiro.

Ser feliz com a descrição do seu cargo na empresa é crucial. Isso reflete quem você é, tanto para seus colegas como para o mundo externo. Um título de trabalho que não consegue capturar o escopo da sua função na empresa irá colocar limitações à sua ambição. As descrições de cargos são um símbolo do que podemos alcançar, assim como o que fazemos.

Compartilhe esse artigo:

Postagens Relacionadas

Trello on various platforms

Using Trello at Work

Sign up for Trello Business Class to learn how your entire team can maximize productivity.

Saiba mais